segunda-feira

Inconstância do amor

http://olhares.aeiou.pt/foto2253058.html
Nada foi mesmo em vão
A viagem saturada
O amor inconstante
O fardo do carinho

A veracidade da falsidade
O desassossego das palavras
A negação diante da submissão
E o pretexto da invenção sem precisão

Renegar a vivência diante dos factos é
Mesmo em vão, viver o amor incompreendido
Na frouxidão da vergonha, é um momento perdido

A incapacidade da reacção diante da leveza de ser.

3 comentários:

  1. Lindo o poema.
    Mesmo com todas as suas inconstâncias o amor nunca é em vão.

    ResponderEliminar
  2. A incapacidade da reacção diante da leveza de ser.
    ADOREI!

    ResponderEliminar
  3. As palavras me trouxeram silêncio, o momento é de chuva e seu poema me deixou assim: em silêncio, revendo minhas vilas, espiando minhas saudades. Abraços meus

    ResponderEliminar

"...Um dia vi em mim um sorriso nunca visto antes. era minha essência, roubando minha aparência e tomando finalmente seu lugar de volta..."

Obrigado pelo seu comentário,
VOLTE SEMPRE!!!

OBRIGADO Á TODOS